Pesquisar este blog

segunda-feira, 8 de março de 2010

"A portuguesa" de faca e garfo


Este artigo retirado do Jornal Nordeste foi-me gentilmente cedido por Hugo Martins da Fábrica MAM sediada Em Palaçoulo fabricante da navalha portuguesa mais vendida no Mundo.
Filmam já produziu mais de 6 milhões de unidades de canivete com cabo em forma de pipo


Faca e garfo com a marca de Palaçoulo

Em 30 anos em produção, a fábrica de navalhas Filmam já comercializou cerca de 6 milhões daquele que é um modelo “exclusivo” desta fábrica de cutelarias sedeada em Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro.

Trata-se de um instrumento de corte em forma de pipo, composto por lâmina e garfo, que está considerado um verdadeiro embaixador da indústria transmontana.
Tudo começou há 3 décadas, quando o patriarca da família Martins lançou a ideia de fabricar um modelo assente num cabo oval, mas de aspecto mais tosco.
Segundo Domingos Martins, sócio gerente da Fábrica Filmam, este formato acarretava custos de produção mais altos, quase o triplo de uma tradicional peliqueira, o que levou a empresa a procurar soluções mais acessíveis.
“Com a invenção do cabo redondo da navalha, que nunca antes fora utilizado em Portugal por uma fábrica de cutelarias, conseguimos fabricar o canivete muito mais barato”, explica o responsável.
E para que não houvesse dúvidas quanto à originalidade do suporte da navalha em forma de pipo, a Filmam registou o modelo no Instituto Nacional de Propriedade Industrial.

Modelo está registado
no Instituto Nacional
de Propriedade Industrial

Esta revolução no conceito de fabricar canivetes levou à sua produção em massa, através de máquinas exclusivas para este modelo, também elas inventadas pelos donos da fábrica de navalhas Filmam.
Além de associar a faca e o garfo num só cabo, a forma de pipo permite transportar o canivete sem danificar os bolsos.
“Desde logo, este modelo está associado aos pescadores, aos homens da lavoura e aos pastores, pois é muito útil no seu dia a dia, tanto para cortar como para servir de talher para comer merendas”, garante Domingos Martins.
Mesmo com o registo no INPI, o certo é que o modelo da Filmam já foi alvo de imitações, tanto da parte de empresas portuguesas, como de fábricas chineses, embora sem a qualidade das navalhas “made in” Palaçoulo. “O que nos valeu foi o registo do modelo, que foi feito atempadamente. Temos três registos patenteados, que começam no cabo e terminam no garfo”, revela o empresário
6 milhões de unidades depois, a Filmam garante que o modelo vai continuar a ser produzido em força, pois tanto é vendido para usos próprio, como para servir de “souvenir” de Portugal
Esta navalha encontra-se à venda um pouco por todo o país sendo mesmo um”souvenir” de Portugal e, até mesmo, como recordação de em festas de casamentos.




Por: Francisco Pinto

Secção do Jornal Nordeste de 2010/03/02

2 comentários:

  1. Essa ye ua «palaçuola», mas nun ten l filo cumo las que se benden nas feiras de l Naso a 22 de Agosto

    ResponderExcluir